quarta-feira, 30 de setembro de 2009

San Francisco Bay Blues

Jesse Fuller, também conhecido como The One Man Band, é o autor da canção San Francisco Bay Blues, um clássico composto no fim da década de 50 e popularizado na década de 60 por cantores como Bob Dylan, Ramblin' Jack Elliott e Peter, Paul and Mary.



Nos anos 90, Eric Clapton incluiu uma divertida versão no seu Unplugged.



E pra diversão ficar completa, uma banda de banjos de, claro, San Francisco:


terça-feira, 29 de setembro de 2009

Justiça suspende licença de fosfateira em Anitápolis

Uma ótima notícia para os catarinenses. Acabo de ler no Diário Catarinense que a Justiça Federal concedeu liminar impedindo a instalação de uma fábrica de fosfato em Anitápolis, suspendendo a licença ambiental expedida pela Fundação do Meio Ambiente (uma fundação que deveria cuidar exatamente do meio ambiente).
O risco ambiental é muito grande, mas o projeto tem o apoio do Governo do Estado, que continua surdo, cego e mudo no que diz respeito às questões ambientais, apesar dos avisos que a Natureza tentou nos passar com as tragédias das chuvas de novembro do ano passado.
A briga não acabou, porque ainda cabe recurso.
Para saber mais a respeito, vá até o website da Associação Montanha Viva (a imagem deste post foi extraída de lá).

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

A invasão da Ucrânia pelo Nazismo, contada com areia

Um punhado de areia, uma trilha sonora, e muito talento foram os ingredientes utilizados por uma artista ucraniana para ilustrar a invasão nazista sobre a Ucrânia.

domingo, 27 de setembro de 2009

Tomara que chova

Antes a gente torcia pra dar sol em Florianópolis, porque dia de chuva na cidade é sinônimo de confusão no trânsito. Mas nossa prefeitura conseguiu mudar esta situação. Agora, a gente fica torcendo pra chover, porque se der sol, vai ter obra na Beira Mar. E aí o caos é total. Hoje vi a explicação da prefeitura, dizendo que o asfalto tem que ser aplicado com sol, e não pode ser feito à noite. Então tá. Só não tô entendo uma coisa. No ano passado, nesta mesma época, a Beira Mar foi também recapeada, causando o mesmo transtorno. Que porra de asfalto é esse que tem validade de 11 meses? (neste exato momento tem um diabinho soprando em meus ouvidos tentando me convencer de que tem gente ganhando um dinheirinho com tanto asfalto...)

sábado, 26 de setembro de 2009

Livro infantil de Dylan ganha versão em português

O Dia das Crianças do meu filho já está garantido. Foi publicado no Brasil, pela editora Martins Fontes, a versão em português para o livro infantil de Bob Dylan, intitulado Forever Young, com ilustrações de Paul Rodgers, baseado na canção homônima do álbum Planet Waves, de 1974.
Veja abaixo o vídeo de divulgação do livro.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Jazz e Country

Quando o Jazz e a Country Music se encontram. Johnny Cash e Louis Armstrong interpretando Standin' On The Corner (Blue Yodel No. 9).
Cash sugere que eles recriem esta canção, gravada em 1930 por Louis Armstrong e Jimmie Rodgers, o "pai da música country".
Armstrong aceita a idéia e brinca dizendo que dessa vez eles farão uma versão "black and white".

Primeiros sinais do álbum de natal de Bob Dylan

O lançamento do novo álbum de Bob Dylan com músicas de Natal está previsto para 12 de outubro, mas já dá para saciar a curiosidade e ouvir uns pedacinhos das músicas.

Alguns segundos de cada uma das quinze canções de Christmas In The Heart deixam indícios de que os fãs de Dylan ficarão divididos entre o êxtase e o horror.

As interpretações que Dylan faz dos antigos hinos cristãos, ao contrário do que poderíamos imaginar, ficaram próximas das versões tradicionais, incluindo um inacreditável backing vocal que lembra as músicas dos anos 30 que saíam da vitrola durante a época de Natal, deixando o álbum com um clima de jantar de família em noite de celebração.

Ou seja, quando Dylan diz que vai fazer um álbum de Natal, ele realmente vai fazer um álbum de Natal.



Confira as músicas do álbum:

1 Here Comes Santa Claus (Gene Autry, Oakley Haldeman)
2 Do You Hear What I Hear? (Noel Regney, Gloria Shayne)
3 Winter Wonderland (Richard B. Smith, Felix Bernard )
4 Hark The Herald Angels Sing (Traditional )
5 I'll Be Home For Christmas (Walter Kent, Kim Gannon, Buck Ram)
6 Little Drummer Boy (Katherine Davis, Henry V. Onorati, Harry Simeone)
7 The Christmas Blues (David Jack Holt, Sammy Cahn)
8 O' Come All Ye Faithful (Adeste Fideles) (Traditional )
9 Have Yourself A Merry Little Christmas (Ralph Blane, Hugh Martin )
10 Must Be Santa (Hal Moore, Bill Fredricks )
11 Silver Bells (Raymond B. Evans, Jay Livingston)
12 The First Noel (Traditional)
13 Christmas Island (Lyle Moraine)
14 The Christmas Song (Mel Tormé, Robert Wells)
15 O' Little Town Of Bethlehem (Traditional)

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Eric Clapton - Rendição

Capa do livro
Trecho do livro autobiográfico de Eric Clapton.

Certo dia, quando minha internação estava chegando ao fim, o pânico me atingiu, e percebi que de fato nada havia mudado em mim, e eu estava voltando ao mundo mais uma vez completamente desprotegido. O ruído em minha mente era ensurdecedor, e a bebida estava em meus pensamentos o tempo todo. Fiquei chocado ao perceber que estava em um centro de tratamento, um ambiente supostamente seguro, e estava em sério perigo.

Naquele momento, quase que por si mesmas, minhas pernas cederam, e caí de joelhos. Na privacidade de meu quarto, implorei por socorro. Eu não atinava com quem estava falando, sabia apenas que havia chegado ao meu limite, não me restava mais nada para lutar. Então lembrei do que tinha ouvido falar sobre rendição, algo que pensei que jamais conseguiria fazer, que meu orgulho simplesmente não permitiria, mas entendi que sozinho eu não teria sucesso, por isso pedi socorro e, caindo de joelhos, me rendi.

Em poucos dias percebi que havia acontecido alguma coisa comigo. Um ateísta provavelmente diria que foi apenas uma mudança de atitude, e em certa medida é verdade, mas foi muito mais que isso. Encontrei um lugar a que recorrer, um lugar que sempre soube que estava ali, mas em que nunca realmente quis ou precisei acreditar. Daquele dia até hoje, jamais deixei de rezar de manhã, de joelhos, pedindo ajuda, e à noite para expressar gratidão por minha vida e, acima de tudo, por minha sobriedade. Prefiro me ajoelhar porque sinto que preciso ser humilde quando rezo e, com meu ego, isso é o máximo que posso fazer.

Se você está perguntando por que faço tudo isso, vou dizer... porque funciona, simples assim. Em todo esse tempo em que estou sóbrio, nenhuma única vez pensei seriamente em tomar um drinque ou usar alguma droga. Não tenho problema com religião e cresci com uma forte curiosidade sobre modelos espirituais, mas minha busca afastou-me da igreja e da veneração em grupo rumo a uma jornada interior. Antes de minha recuperação ter início, encontrei meu Deus na música e nas artes, com escritores como Herman Hesse, e músicos como Muddy Waters, Howlin' Wolf e Little Walter. De algum jeito, de alguma forma, meu Deus sempre esteve ali, mas agora eu havia aprendido a falar com ele.
Eric Clapton, A Autobiogafia (Editora Planeta), p.281.

domingo, 20 de setembro de 2009

Vitória Régia

Sábado foi dia de almoçar no agradável Parque da Malwee, em Jaraguá do Sul, onde eu tirei esta foto.

sábado, 19 de setembro de 2009

A Verdade Nua e a Parábola

A Verdade Nua e a Parábola

A Verdade Nua caminhou pela rua um dia.
As pessoas viraram o olhar para outro lado.

A Parábola chegou, adornada e bem vestida.
As pessoas a saudaram com alegria.

A Verdade Nua sentou-se solitária, triste e despida.
"Por que você está tão triste?" - perguntou a Parábola.

A Verdade Nua respondeu: "Não sou mais bem-vinda.
Ninguém quer me ver. Eles me expulsam de suas portas."

"É difícil olhar para a Verdade Nua" -- comentou a Parábola.
"Deixa-me vesti-la um pouco. Certamente, você será bem recebida".

A Parábola vestiu a Verdade Nua com um vestido fino feito de narrativa, com metáforas, uma prosa incisiva e enredos cheios de inspiração.

Com riso e lágrimas e aventura a se revelar, juntas elas começaram a desfiar uma estória.

As pessoas abriram suas portas e serviram a elas o que havia de melhor.
A Verdade Nua vestida de estória era uma convidada muito bem-vinda.

(conto judaico, readaptado por Heather Forest)

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Bob Dylan e Bossa Nova

Transcrevo abaixo um trecho do livro autobiográfico de Bob Dylan, Crônicas Volume Um, página 79, em que ele menciona o início do movimento bossa nova.

Irwin Silber, editor da revista de folk Sing Out! também estava lá. Em poucos anos, ele me repreenderia em público na revista por eu ter voltado as costas para a comunidade do folk. Foi um texto irado. Eu gostava de Irwin, mas não podia me relacionar com aquilo.

Miles Davis seria acusado de algo semelhante ao fazer o álbum Bitches Brew, obra musical que não seguia as regras do jazz moderno, o qual estivera à beira de irromper no mercado popular, até o disco de Miles aparecer e liquidar com as chances. Miles foi repudiado pela comunidade do jazz. Não posso imaginar Miles ficando muito contrariado.

Artistas latinos também estavam quebrando as regras. Artistas como João Gilberto, Roberto Menescal e Carlos Lyra estavam libertando-se do samba infestado de percussão e criando uma nova forma de música brasileira com modulações melódicas. Eles a chamavam de bossa nova.



Em julho de 2006, em seu programa semanal na rádio via satélite XM Radio, Dylan fez referência à bossa nova e tocou a música So Nice, cantada por Astrud Gilberto e Walter Wanderley. Para ouvir a gravação, com a introdução do DJ Bob Dylan, basta clicar no player abaixo.


So Nice (Bob Dylan intro) - Astrud Gilberto and Walter Wanderley

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Bob Dylan canta Beatles

Something, de George Harrison, maravilhosamente interpretada por Bob Dylan, num show em 13 de novembro de 2002, alguns dias antes do show tributo Concert for George, em que Bob Dylan não pode estar presente. Os dois foram grandes amigos e tocaram juntos muitas vezes.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Da janela de um hotel no norte da Ilha

Blogs que linkam pro Bloguilhéu

Já se vão quarenta dias desde o início das atividades do Bloguilhéu, e fico feliz em saber que começamos a aparecer nas listas de links de outros blogs. Numa rápida pesquisa, deu para perceber que os seguintes blogs nos deram a honra de nos adicionar em seus blogrolls de favoritos:

Blog do fotógrafo Rubens Flores e da jornalista Carla Cavalheiro, antiga amiga que foi reencontrada graças ao Orkut.

Música, cultura pop, memórias, sonhos & reflexões.

Kátia de Paula, código genético: DNA azurra.

Sou Avaí - o Leão da Ilha

Segundo o autor do blog, "Palavras brincantes, nem sempre sisudas. Poemas? Isto é lá com quem lê".

Se faltou algum, por favor, me avisem.


segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Bob Dylan conversando com Tom Waits

Muito boa essa charge que esculhamba com pega no pé da famosa dicção vocal de dois ícones da música pop. E tem mais gente na conversa...


Para quem não está familiarizado com Tom Waits, aqui vai uma amostra:

Canção da Bailarina classificada em Festival Nacional

Nesta manhã de feriado, recebo a agradável notícia de que meu amigo Rafa Brasileiro, competente músico e compositor da nova geração do cenário ilhéu, teve sua música classificada no primeiro Festival Nacional de Música da ARPUB – Associação das Rádios Públicas do Brasil.

Canção da Bailarina é interpretada por Rafa, com participação super especial de Julia Muniz, cantora e compositora catarinense.

Para ouvir a música, basta clicar no player abaixo:



Segundo Rafa, "agora é só acompanhar a veiculação desta música na programação das emissoras da UDESC FM de Florianópolis (100.1), Joinville (91.9), e Lages (106.9), entre os dias 5 e 20 de setembro. De amanhã até a próxima terça-feira, serão ouvidas as sete primeiras músicas da relação. Ajudem a divulgar, porque agora é a vez do ouvinte, com o voto popular".

O voto deve ser registrado através do e-mail radio.musica@udesc.br . Só vale votar uma vez e indicar apenas uma música. O voto popular será considerado como o de um sexto jurado.

E entre os dias 14 e 20 de setembro, o programa Som da Ilha terá edições especiais, às 17 horas, só com as músicas do Festival. As cinco músicas finalistas serão selecionadas entre os dias 21 de setembro e 10 de outubro.

A classificação terá as categorias: "Melhor Música Com Letra", "Melhor Música Instrumental", "Melhor Intérprete Vocal - cantor (a) ou grupo", "Melhor Intérprete Instrumental", e "Melhor Arranjo".

Uma bela iniciativa que merece todo apoio.

E uma bela música que merece o nosso voto.

Foto na praia

Cachoeira do Bom Jesus
Verão de 2008, eu estava fazendo algumas fotos na praia de Cachoeira do Bom Jesus, norte de Florianópolis, quando vi a mulher levantar-se da cadeira de praia e afastar-se para tirar a foto da outra pessoa, que ficou debaixo do guarda-sol. Como estava com minha câmera preparada, aproveitei para registrar o momento.

domingo, 6 de setembro de 2009

Imagens da Independência


Proclamação da Independência, óleo de François-René Moreaux, 1844.
Proclamação da Independência
O Grito do Ipiranga, litografia anônima, cerca de 1860.
Anônimo
O Grito do Ipiranga, xilografia produzida por Harzal, 1870.
Harzal
Independência ou Morte!, pintado por Pedro Américo entre 1886 e 1888.
Independência ou Morte!

Na obra do francês Moreaux, populares aparecem festejando ao redor do príncipe.

O artista anônimo incluiu um indígena bem próximo ao príncipe empunhando a espada.

Na xilografia de Harzal, a presença de civis, militares e índios.

No quadro de Pedro Américo, destaque para a pompa dos militares em uniforme de gala, a elegância dos cavalos e a pose heróica do Príncipe.

Diferentes leituras para uma mesma cena.
Ou será que já usavam Photoshop naquele tempo?

Desfile de Carros de Boi

O blog Sambaqui na Rede trouxe no seu post de sábado uma série de imagens do oitavo Desfile de Carros de Boi, realizado no dia 04/09 pela Associação dos Engenhos de Farinha de Santo Antônio de Lisboa. Para ver as fotos, basta clicar aqui.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Novo álbum do Erasmo Carlos

O post de hoje é clone de um post de junho do meu antigo blog, em que eu anunciava o novíssimo álbum do Erasmo Carlos. Trata-se de Rock'n'Roll, disco com músicas inéditas, rock básico do bom, que surge no meio de tanta porcaria que ecoa pelas mtvs e programas dominicais por aí.
Hoje, viajando pela BR-282 ao som do Tremendão, decidi republicar o post aqui no Bloguilhéu.

No release do álbum, Rita Lee diz tudo:

Rock não é coisa para maricas. Erasmo está aí que não me deixa mentir. Ao ouvir esse último trabalho imagino o "gentle giant" cantando no palco vestido de couro preto da cabeça aos pés enquanto marca o beat da música com a mão na coxa. Desde Marlon Brando e James Dean sou chegada num bad boy. Erasmo era o bad boy da Jovem Guarda, o que para mim significa ser ele o verdadeiro pai do rock brasileiro. E no meio dos trocentos clones que poluem as atuais paradas de sucesso com suas mesmices, eis que nosso Tiranossaurus Rex abre alas só com inéditas.

As músicas são a simplicidade com trombetas. As letras o pretinho básico com diamantes. O backing vocal um coral de anjos infernais. Os instrumentos e os arranjos são pérolas do bom gosto (rola até um Farfisa e um Hammond no meio de modernidades sonoras). E toda essa farra pilotada pela produção de Merlin Liminha. Graças aos deuses Erasmo é Erasmo, uma sacação genial se dizer cover de si mesmo no meio dos Elvis, Robertos, Rauls e Beatles, seus roqueiros porretas.

Você vai ouvir um macho apaixonado pelas fêmeas do planeta sem o menor pudor. Entre mulheres melancias, samambaias, melões e jacas, só Erasmo para proclamar aos quatro ventos que a mulher é uma guitarra.E rola de tudo no salão. Melodias lacrimejantes, harmonias delicadas, rocks gaiatos, baladas românticas, declarações rasgadas, deboches safados, conselhos para dor de cotovelo, guitarras sutis, baixos esquisitões, enfim: Erasmo Rock'n'Roll Carlos me deu uma baita inveja da leveza com que ele conduz seu barquinho por entre as tempestades e calmarias da vida. Erasmo, cadê você? Eu vim aqui só pra te ver!


Veja abaixo o making of do álbum, com o bom humor do Erasmo:


Algumas músicas do disco:

Jogo Sujo. É impressão minha ou tem alguma coisa de Creedence Clearwater nesta música?


Cover. Já que todo cantor tem um cover, só ele que não, Erasmo resolveu fazer um cover de si mesmo.


Olhar de Mangá. uma listinha de mulheres que rondam as fantasias dos homens.


Celebridade. uma música que destoa do clima rock'n'roll do álbum, mas vale pela ironia sobre as mulheres que querem virar celebridade.


E aí, bicho, quer ouvir as outras músicas? Então vai lá no Myspace do próprio Tremendão. E pode aumentar que isso aí é rock'n'roll...

Céu de Florianópolis

quinta-feira, 3 de setembro de 2009